quinta-feira, abril 06, 2017

" EUA: a capacidade de reagir aos testes da Coreia do Norte está diminuindo " 06.04.17



A habilidade dos EUA de emitir alertas confiáveis sobre os testes de mísseis da Coréia do Norte continua a diminuir, segundo afirma o comandante do Comando Norte dos Estados Unidos (NORTHCOM), General Lori Robinson, em um relatório publicado nesta quinta-feira."Tendo em vista o ritmo sem precedentes dos testes de armas estratégicas da Coréia do Norte, a nossa capacidade de fornecer avisos ​​continua a diminuir", afirmou Robinson em relatório ao Comitê dos Serviços Armados do Senado dos Estados Unidos.
Robinson explicou que os Estados Unidos consideram um desafio a observação dos mísseis balísticos e dos testes nucleares da Coréia do Norte em função da natureza fechada do país. Ao mesmo tempo, Pyongyang também conta com "grande potencial de negação e de desinformação", o que dificulta a observação, de acordo com comandante do NORTHCOM.O comandante do Comando Estratégico dos EUA, General John Hyten, disse em um depoimento no Congresso, nesta terça-feira, que a Coréia do Norte provou um grande avanço do seu programa de mísseis durante o teste realizado em 11 de fevereiro, ao demonstrar possui a capacidade de lançar um foguete de combustível sólido sem detecção prévia dos preparativos.



Japão: últimos esforços para resistir à órbita chinesa
"O segredo do milagre económico da China:O governo possui os bancos e não o inverso"
"O significado da pressão chinesa por uma nova divisa mundial de reserva "
"A venda de R $ 30 bilhões em armas para a Arábia Saudita deve ser visto no contexto mais amplo.vendas para um número de aliados dos Estados Unidos foram recentemente anunciadas, incluindo Israel, Índia, Coréia do Sul, Austrália, Taiwan, Georgia. Este reforço militar é dirigido contra o Irã, assim como a Rússia e a China"
"O contrato de 60 bilhões em armas entre Estados Unidos e Arábia Saudita é dirigida contra o Irã.. Afinal,Israel não se opôs ao negócio"
O papel do ouro no sistema monetário internacional.O que fazem a Índia e a China que a Malásia não faz?
Política Energética na Eurásia: os EUA estão sendo cerceados?
Aliança militar global para cercar a Rússia e a China
EUA promovem parceria militar no Extremo Oriente e na orla do Pacifico
Estados Unidos em espionagem no mar da china http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=12766
O grande dragão desperta:china desafia hegemonia americana

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial